PROVISÓRIO

Divagações e delirios

Diário de Natal

Posted by provisorio em Dezembro 17, 2006

10 Dez 1963

Começa á quadra do Natal.
Levanto-me cedo para ir para a escola. No caminho começam a ver-se alguns ornamentos de Natal, marcando a festa que se aproxima.
Chego à escola, e começamos os preparativos para a festa Natalicia. Os enfeites, as canções, histórias, tudo visando aquilo o que o Natal realmente significa: o nascimento de Jesus menino. À medida que os dias vão passando, cresce a ansiedade da pequenada, pensando e sonhando com o que eventualmente o Pai Natal irá trazer: aquele carrinho que se viu algures, um comboio, uns jogos didaticos, os sempre legos, e quem sabe uma espingarda de rolha, ou uma pistola de fulminantes.
Aproxima-se o Natal.
As ruas da cidade lá se vão vestindo apropriadamente de forma simples, bonita e alegre. Alguns sinaleiros trajam à Pai Natal, sente-se uma atmosfera diferente, diria mais acolhedora. Será talvez tempo de reflexão.
Véspera de Natal. Noite Santa dizem alguns. Avós, tios e primos vêm cá a casa. È festa. Confraternização familiar, talvez a unica noite em que é permitido à pequenada deitar-se mais tarde. Não muito, pois o Pai Natal virá durante a noite, colocar os presentes no sapatinho ao pé do pinheirinho de Natal.
Lá fora, a cidade ficou deserta, apenas movimentada pelas luzes e enfeites simples que a ornamentam.
È Natal, dizem todos, e dizem-no com convicção e alegria. È Natal, canta-se.

5 Novembro 2005

Abre o comércio de Natal.
Levanto-me cedo, para ir trabalhar. No caminho, lembram-me no rádio que apenas faltam 50 dias para o Natal. Desejam-me optimas festas e aconselham-me: Compre isto, ofereça aquilo, compre agora e pague no próximo ano. Pelas ruas começam a aparecer, não ornamentos, mas cartazes e placards alusivos ao Natal, aconselhando sempre, que se compre algo. Sempre de primeira necessidade e da melhor qualidade.
Chego ao escritório e ouço, que fulano tem que comprar uma play station para o filho, cicrano um home cinema, para as noites frias que se aproximam, um telemóvel xpto da 5ª geração, um plasma um isto um aquilo. A quem vou oferecer o que? ouve-se. Enfim, conversas complicadas de quem parece estar em apuros por não saber o que fazer a tanta coisa que há para comprar.
Os dias vão passando e as ruas da cidade enchem-se de mais e mais publicidade, as estações radiofónicas bombardeiam com trechos interminaveis de ofertas publicitárias de tudo e de nada. Interessa sim, o mais possivel que se compre. Não interessa para quê, mas que se compre. Começa a sentir-se uma atmosfera diferente. As ruas, os centros comerciais, enchem-se de gente apressada, que tem que chegar não se sabe onde, em primeiro lugar, não vá o que não se sabe o que comprar esgotar-se, de gente que se atropela, de gente que utiliza horas para encher o carrinho de compras, o automóvel, daquilo que precisa, do que não precisa e do que qualidade não tem, mas “é barato!” e “deu na T.V.”. Mas é Natal, e é obrigatório que assim seja.
E eis que chega a véspera de Natal, a noite de ver o se recebe e o que se deu. As familias lá se juntam. Convivem é verdade. Mas é a tradição. Os Avós, os Tios já não vêm. Estão velhotes. Ficam melhor lá no lar. Já la têm o seu hambiente e as suas amizades. Provavelmente não se sentiriam muito bem, aqui na confusão.
E lá se passa a noite, há dois meses esperada. Há agora que pensar no que comprar para festejar o final do Ano.
È Natal. È sim. Mais um que está passado.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: